topo  INICIO
Procurar





Catálogo Áudio
    Different     Different World     Different Star     Different City     Different Kids     Musica Alternativa

Catálogo Vídeo
    Different Vision

Serviços
    Publishing     Premiums     Different Booking

Vendas
    Venda Postal     Merchandising     Distribuição

Newsletter
Nome   
E-mail    
        

Os Reis do Semba


Nas últimas décadas do controle colonial, Portugal encorajou activamente a produção e gravação de música de artistas locais. São criados os Estúdios Valentim de Carvalho, em Luanda, que apenas cessam a sua actividade em 1975. O resultado foi a criação da editora N’Gola e de uma mini-indústria que, combinada com a excitação da liberdade que se antevia, viu nascer excelentes músicos e diversos estilos originais entre meados dos anos 60 até à Independência.
A música de Angola foi moldada tanto por um leque abrangente de influências como pela história política do país. Durante o século XX, Angola foi dividida pela violência e instabilidade política. Os seus músicos foram oprimidos pelas forças governamentais, tanto durante o período da colonização portuguesa, como após a independência. Ao longo dos anos, a música angolana influenciou também o Brasil e Cuba.
Luanda, capital e maior cidade de Angola, é o berço de diversos estilos, sendo um dos mais originais o semba.

O semba, que partilha raízes com o samba (de onde a palavra tem origem e significa umbigada), é também predecessor da kizomba e kuduro. É uma música de características urbanas, e surge a evolução das cidades, em especial com o crescimento de Luanda. À volta desta capital, criam-se grandes aglomerados populacionais, os “musseques”.
O “musseque” (expressão que em língua nacional kimbundu significa onde há areia, por oposição à zona asfaltada) é o espaço de transição entre o universo rural e a cidade.

No musseque nascem as turmas, pequenas formações de músicos que tocavam no fim das tardes, ao pôr-do-sol. Os músicos faziam também parte dos grupos de Carnaval. São estas turmas os embriões da grande maioria dos grupos musicais angolanos que passaram a dominar musicalmente as cidades. Motivados por uma paixão pelos ritmos nacionais, a sua música integrou muitas vezes influências de estilos musicais de artistas congoleses, latino-americanos, entre outros.
Em bairros como o Coqueiros, Imgombotas, Bairro Operário, Rangel, e no Marçal vivia-se um ambiente intimista de preservação das músicas e tradições angolanas, marginalizadas pela dominação colonialista presente na época. O folclore dos musseques (bairros pobres) fascinam parte de uma geração de jovens lutadores de famílias humildes e resistentes, que resolve criar o seu próprio estilo musical, afirmando a especificidade da cultura angolana, numa época muito conturbada.

O respeito e a admiração pela música, dança, provérbios e vivência tradicional das gentes, o interesse pela música tradicional e pela cultura suburbana enquanto divulgação dos usos e costumes da linguagem e cultura angolana são as linhas mestre das canções desta época. Daí a maior parte dos Sembas serem cantados em Kimbundo.




Ritmicamente fascinante e contagioso, o Semba não passou muito tempo confinado aos musseques. Em pouco anos tornou-se essencial para os bailes que animavam os melhores salões de Luanda, assim como as festas por todo o país.
Os temas que aqui apresentamos foram gravados até 1975, pela extinta N’Gola (etiqueta angolana da Valentim de Carvalho). 3 décadas depois continuam impressionantemente actuais e a inspirar público e artistas contemporâneos.

Ritmicamente fascinante e contagioso, o Semba não passou muito tempo confinado aos musseques. Em pouco anos tornou-se essencial para os bailes que animavam os melhores salões de Luanda, assim como as festas por todo o país.

Os temas que aqui apresentamos foram gravados até 1975, pela extinta N’Gola (etiqueta angolana da Valentim de Carvalho). 3 décadas depois continuam impressionantemente actuais e a inspirar público e artistas contemporâneos.

ALINHAMENTO
CD1
01. Águias Reais - Bazooka
02. Lancerdo - Esperança
03. Elias Dia Kimuezo - Diala Monzo
04. Os Korimbas - Jémba Braguez
05. Paulo Neto - Tua Ndaleto Kutu Tumina
06. Mamukueno - Regimento
07. Duo N'Gola - Carnaval
08. Kito - Bangololo
09. Cisco - N'congo – Semba
10. Musangola - Pé Descalço
11. António Sobrinho - An Nguingua Zula
12. Nito Nunes - Kilundu
13. Ana N'gola - Deixa Ondas
14. Manuel Faria - Papá
15. Barros de Landana - Tambi La Rosa
16. Zé Agostinho - llá Saluica
17. Santos Júnior - Tua sa quidila
18. Zé da Onda - Vitória
19. João Pequeno - Muloji
20. Zicas - Ilumba Ia Rangel
21. Mikaela - Divua Diami ( o Meu Azar)
22. António Manuel - Zenumakamba Mano
23. N' Goma Jazz - N'Congola Kvuala o Mona
24. Conj. Dimba de Angola - Titina
25. Cabinda Ritmos - Merengue Tira Frio

CD2
01. Elias Dia Kimuezo - Samba
02. Manuel Faria - N'Golo Danza Mamã
03. Santos Júnior - Calumbinga
04. Artur Adriano - N'dole ia Lélé
05. Brás Firmino - Ufeko Ndisole
06. Campos Neto - Ukala Viala
07. Conj. Dimba D' Angola - Catolotolo
08. Quim dos Santos - Ambula N'Gui Zeme
09. Gildo Costa - Mona uá N'gola
10. Fé-Fé - Eme N'Guidilo' – Semba
11. Mantião - Va Dibangue Ya Di Nung
12. Ana N´Gola - Kidingo
13. Augusto Dikongo - Semba Dominga
14. Francisco Augusto - N'Zala Ikola
15. Os Korimbas - Jessa
16. Ferreira do Nascimento - Tiomanico
17. Africa Show - Ai Ai Muxi Uami
18. Mikaela - Meu Pai e Minha Mãe
19. Nito Nunes - Kubata Diá Rosa
20. Surpresa 73 - Saudades do Bairro Laugado
21. Zé da Lua - Ulungu Vami
22. Conj. Cabinda Ritmos - Nazeli Mungi
23. Dicanjasdo Prenda - Merengue Catembe
24. Faustino Augusto - Fatita Comeu Banana
25. José António Cândido - Joaninha de Menina saia

  

Curtas
Todos os Direitos Reservados
© Difference - Produção de Música, Lda.